3# OPORTO

SEXTA FEIRA  17 FEVEREIRO 2017



Os melhores éclaires do Porto, o Palácio da Bolsa e a Livraria Lello. É este o mote para o terceiro artigo desta série, uma manhã que começou em casa mas que se complementou com o melhor da cidade e dois clichés a conhecer. Depois de um primeiro dia tão bonito e preenchido, este segundo dia com céu azul tinha tudo para ser maravilhoso. E assim foi. Espreitamos?


Já tínhamos, à chegada espreitado a Leitaria da Quinta do Paço mas, ficámos rendidas aos melhor éclair do Porto e tivemos de regressar na nossa segunda manhã na cidade. O pequeno-almoço foi tomado em casa, nas calmas e na preguiça que merece; rumamos, seguidamente, até à Baixa – bem pertinho do AmareloTorrada – para complementar a nossa manhã. 





OS ÉCLAIRES DA LEITARIA
Os melhores. A sério. Para alimentar a manhã que tão simpática se avizinhava, pedimos dois éclaires mini e dois cafés quentinhos – os clássicos, por favor. E confesso que não esperava gostar tanto destes meninos como gostei, muito fofos, frescos e deliciosos. Tão saborosos ao ponto de percebemos se era ou não possível levarmos alguns connosco. Para casa!

Chegámos por volta das 9h e só estava uma ou duas mesas ocupadas mas apressem-se.. Rapidamente começou a haver movimento e a sala preencheu-se num instante. A oferta é muito simpática e acessível – 1€50 um mini éclair e um café. 





Já tínhamos espreitado a Praça do Infante D. Henrique na manhã anterior, aliás foi nessa mesma manhã que fomos pedir as informações necessárias para visitar o Palácio da Bolsa – ainda pensamos em visitá-lo nessa altura, no entanto, o evento que decorria não o permitia. A visita, esta só realizada com a presença de um guia, foi feita na manhã seguinte por volta das 10h20 em português – e, hoje, mostro-vos um dos clichés mais bonitos do Porto. Sejam bem-vindos ao Palácio da Bolsa.



PALÁCIO DA BOLSA
Ou Associação Comercial do Porto. Uma história, um feito virado para o comércio português. Um edifício maravilhoso que ocupa a Praça de uma maneira elegante e rica – rica em marcos e de tantas outras peripécias que a história nos deixou. Cheio de curiosos e de turistas enamorados o Palácio marca presença em diversos eventos culturais, sociais ou políticos.

Somos recebidos, à nossa esquerda, por uma enorme Biblioteca de tempos antigos e difícil é deixa-la para trás e não nos maravilhamos com os tantos pormenores que compõem a sala. Uns com o ar de surpreendidos, outros orgulhosos por tudo o que uma pequena grande sala guarda.




Preparados para uma visita sem igual? Confesso que sabia para onde ia, sabia que me ia deslumbrar e apaixonar em cada canto e recanto e mesmo assim este Palácio da Bolsa conseguiu surpreender – a mim e à mana, claro. Somos, de imediato, encaminhados para a sala principal do Palácio como se de átrio se tratasse, este que nos acompanha durante toda a visita – o Pátio das Nações.







Um Pátio que conquista qualquer pessoa que por ali passa seja por todos os pormenores que o envolvem, pelos padrões que o emolduram ou pelo brilho da luz do Porto pela manhã.

Aliás, é importante frisar que esta visita e todo o seu percurso está aliado à luz natural que o dia oferece – se tiverem oportunidade façam a vossa visita de manhã, garantiram-nos que muitas das salas que conhecemos são intimidadas pela luz do dia. Inclusive, a nossa guia frisou a sorte que tivemos em estar um dia tão tão bonito.


Ao longo da visita terás conhecimento de que outrora se viveu, perceberás também o significado de muitas das figuras que ilustram o espaço, assim como muitas das peças – o porquê, de onde vieram ou do que são feitas são temas que, certamente, serão abordados. A nossa guia foi muito presente em toda a visita, conseguiu-nos explicar todos os pontos de maneira sucinta e direta assim como nos auxiliava de imediato em alguma duvida ou curiosidade que surgisse. 




















Deambulámos pela Escadaria Nobre e por tantas outras salas que faziam justiça à beleza do Palácio. Porém, e apesar de ter admirado cada ponto ao máximo e me ter deixado levar pelas palavras que ouvíamos, foi ao entrar na jóia da coroa – como a guia a designou – que parámos. Ficámos ali deslumbrados a observar a sala mais bonita, exuberante e rica do Palácio da Bolsa, o Salão Árabe.




Podem – e devem – visitar este cliché durante todo o ano conforme os horários de inverno ou verão. Atualmente, e até ao mês de março, as portas estarão abertas das 9h às 12h30 e das 14h às 17h30. Pagámos ambas o preço de estudante, 5€,  no entanto, o custo de um bilhete normal é 8€50. É uma visita que vale a pena dado à simbologia que este representa na cidade.

Descubram mais no site oficial do Palácio, aqui. Entretanto, se houver a necessidade de lhes enviar um e-mail, tal como nós, digo-vos que foram muito acessíveis e rápidos nas respostas e em todas as dúvidas.



A manhã já ia longa – e tão bonita e produtiva – quando nos despedimos do Palácio da Bolsa. Ainda deambulamos pela zona envolvente e observamos o pequeno jardim em frente ao grande edifício. Tínhamos tempo e estávamos no Porto. Disse esta afirmação umas quantas vezes para mim mesma – estávamos no Porto, as duas.

E como este artigo está cheio de clichés bonitos – há semelhança dos outros tantos – deixo-vos mais uma sugestão para visitar na cidade. Continuamos a ler?





















LIVRARIA LELLO
“Sejam bem-vindas à Livraria mais bonita do mundo” – Foi com esta frase sublime e delicada, entre sorrisos, que entrámos na livraria mais bela da cidade, a Livraria Lello. É fácil elogiar esta peripécia na cidade sem antes termos entrado porém viver aquela Livraria de perto é diferente e não há explicação – não há explicação pelas letras que lá guarda, pela diversidade que a compõem e, claro está, pelo enorme e riquíssimo edifício que a completa. 




















Entrar na Livraria tem o custo de 4€ – online o preço é diferente – tal valor é descontado numa eventual compra, um livro para a mãe ou para a tia, para a avó ou para o avô. Há para todos os gostos dada a diversidade que lá mora. Dos escritores mais contemporâneos aos mais atuais, dos teus romances preferidos ao livro de eleição dele. É paragem obrigatória, creio.






E chegámos ao fim de um outro artigo, espero que tenham gostado desta terceira partilha e que se tenham deslumbrado – e anotado! – mais uns quantos clichés a conhecer na cidade do Porto. Entretanto, o que mais vos encantou até agora? A nossa viagem continua.

 1# OPORTO  Amarelo Torrada, Sé do Porto, Ponte D Luís I e o Passeio de Teleférico 
 2# OPORTO  Dona Maria Pregaria, Estação de São Bento, A Vida Portuguesa e O Diplomata 

F o l l o w  m e :  facebook | instagram | bloglovin | zomato 

3 comentários:

  1. Gosto tanto deste tipo de passeios, quero tanto entrar nessa livraria e tanto mas tanto conhecer o Porto! Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Cada publicação que vejo aumenta o meu desejo de voltar à cidade =)

    ResponderEliminar
  3. Tenho adorado os diários da tua viagem ao Porto. Fazem-me desejar ainda mais que a minha visita à cidade chegue rápido!

    ResponderEliminar